Aplicação de Ortobiológicos para o tratamento da Artrose<br>

Aplicação de Ortobiológicos para o tratamento da Artrose

 

A osteoartrose é uma doença que se caracteriza por uma perda progressiva da cartilagem articular, sendo extremamente frequente e incapacitante dependendo do grau de atingimento da articulação e de um conjunto de fatores intrínsecos/extrínsecos do indivíduo. Apesar das várias estratégias que temos ao nosso dispor para o seu combate e atraso na progressão, muitas vezes a substituição da articulação (Artroplastia) é o tratamento final. Felizmente, temos hoje em dia, ao nosso dispor, um conjunto de técnicas e tratamentos minimamente invasivos aplicados no interior da articulação1 em causa que procuram atrasar e/ou mesmo impedir a colocação de uma prótese. As articulações que mais beneficiam com este tipo de tratamentos são o ombro, a anca, o joelho e a tibiotársica.

Dentro destes tratamentos a aplicação intra-articular de produtos ortobiológicos tem ganho interesse pela sua fácil disponibilidade e aplicabilidade, pelo efeito promissor na melhoria da sintomatologia, regeneração de tecidos e atraso na progressão da doença. Este tipo de abordagem permite aproveitar as altas concentrações de fatores de crescimento (Plasma Rico Plasma – PRP), moléculas bioativas derivadas do sangue da própria pessoa, bem como a presença de células mesenquimatosas imaturas com capacidade de diferenciação e que se transformam em novas células maduras com capacidade para regeneração de tecidos.

Dentro das várias alternativas existentes atualmente destacamos:

Plasma Rico em Plaquetas (PRP): procedimento relativamente simples que consiste na retirada de sangue venoso do doente a tratar, posteriormente centrifugado com separação das várias camadas do sangue e aplicação na articulação a tratar da camada de plasma rico em plaquetas. Permite uma melhoria da dor e da limitação funcional com poucos ou nenhuns efeitos secundários. Destacamos a sua fácil aplicabilidade com o seu efeito potenciado concomitante com Ácido Hialurónico. Podem ser administrados em toma única ou várias tomas dependendo da condição clínica do doente.
Concentrado de Aspirado de Medula Óssea (BMAC): procedimento mais complexo que exige a utilização de Bloco operatório com retirada de medula óssea da crista ilíaca (sob anestesia locoregional) com posterior centrifugação e aplicação na articulação do concentrado de medula óssea. Resultados promissores no alívio da dor e limitação funcional.
Concentrado derivado do tecido adiposo: procedimento que também exige uso de Bloco operatório para retirada de tecido adiposo (geralmente da região abdominal) com posterior centrifugação e aplicação dos fatores de crescimento e citoquinas na articulação .

De referir que a orientação terapêutica da osteoartrose representa um desafio para os Clínicos, representando a aplicação dos Ortobiológicos um fator chave devido ao seu potencial na modulação do ambiente intra-articular.

Como já é deveras sabido, todo e qualquer processo de reabilitação deve ser acompanhado por um programa de reforço muscular adaptado à condição do doente com progressões baseadas em critérios e funcionais e que representa o fator fundamental na melhoria clínica e funcional do indivíduo.

Atenção: Claro que, como para todas as estratégias de tratamento, cada situação tem de ser avaliada de maneira individual e adaptada a cada indivíduo, avaliando o risco/benefício de cada intervenção e que pode ser modificada ao longo do curso do tratamento.


Nota: Este artigo é somente um artigo de opinião que se baseia na mais atual evidência científica e na experiência do autor na prática de Medicina Desportiva no acompanhamento de atletas de alta competição ao mais alto nível nos últimos anos.